E essa Amazônia aí, hein?

Por causa de um grande amigo que estava se formando em medicina na UFAM, eu tive a oportunidade de visitar a Amazônia, mais especificamente Manaus, em dezembro de 2018. Além de beber cachaça de Jambu, eu conversei com pessoas que nasceram e cresceram por lá, e compreendi um pouco melhor alguns problemas que acontecem no norte do país.
Por mais que eu me considere privilegiado por ter tido essa experiência, isso não me dá nem de longe sabedoria suficiente, sobretudo política, pra falar sobre algo tão polêmico e de escala global como as queimadas na Amazônia.

Faz um pouco mais de uma semana que eu notei que a internet está cheia de ódio e polêmicas, até um pouco mais do que o normal.
Mas não é sempre assim? Pois bem, eu acho que sempre foi e sempre vai ser. Eu prefiro jogar nas mãos de Freud, digo de Deus, e acreditar que esse operador afetivo resultará em amor e concordância, ao menos para gerar discussões produtivas, num segundo momento.

Já fiz essa analogia no passado e acho que cabe aqui novamente. Eu nunca vi ninguém gritando aos ventos que o sol vai nascer amanhã, ou que outra noite chegará. Por outro lado, todo assunto provido de dúvida é normalmente lidado com discussões e tentativas de coerção ou convencimento. Rachel e Ross que nos digam.
E não precisamos ir muito longe, sempre que recebo uma resposta aqui, mesmo que contraditória, me sinto mais seguro sobre mim mesmo. Discussão alimenta discussão e estimula pensamento.

Quando criança eu me perguntava como um padre poderia estar certo enquanto outro pastor estava errado. Ou como poderiam haver tantas religiões, deuses e coisas do tipo. Essa dúvida, é claro, me acompanhou durante minha vida e se estendeu sobre outras questões, sobretudo morais e políticas.
Eu me considero ignorante quando o assunto é política, talvez por falta de curiosidade ou estímulo. Um erro terrível, reconheço, dado que escolho representantes para governar o país e essas escolhas afetam minha vida diretamente.

Naturalmente eu também comecei a me questionar, o que garante que eu tenho informação o suficiente para escolher uma pessoa que tomará decisões por minha comunidade, minha cidade ou até mesmo meu país. Ou se a posse de armas é algo que deveria ser considerado.

Ainda nessa mesma onda de polêmicas, Richard Dawkins disse que o Brexit foi uma tragédia, e que isso não deveria ter sido decidido em um plebiscito, porque as pessoas careciam de formação econômica e política para decidir algo de tamanha importância, não só hoje, mas também para as próximas décadas.
Essa, junto à algumas ideias de Yuval trazidas no 21 lições para o século 21 só fomentaram meus questionamentos.

Entendo e aceito que nunca terei todas as informações necessárias para tomar certas decisões. Como seguir? Como resolvo, ou em sociedade, resolvemos esse problema?

Um computador consegue fazer 200 quadrilhões de cálculos por segundo, mas carece de intuição, de instinto (chame-o como quiser). Por outro lado, esse instinto pode ser entendido como um conjunto de cálculos evolucionários que adquirimos ao longo da existência para tomar ações sem pensar, como se afastar ao ver uma cobra, por exemplo, e logo pode ser aprendido por um computador.
Isso é fascinante, para não dizer assustador. Talvez biotecnologia mereça atenção exclusiva em um outro texto.

A grande questão aqui é entendermos o que podemos fazer de forma a mudar o mundo pra melhor (perdoem-me o clichê). Isso é algo que me assombra, pois de um lado eu acredito que essas discussões munidas de ódio, essas buscas incessantes por culpados e não soluções, não chegam a lugar algum. E por outro, ao não entrar no jogo, me vejo fugindo de um dever, mesmo ciente da minha tremenda falta de conhecimento.

A minha luta interna é real oficial. E eu quero saber, como você lida com isso?


Processando…
Sucesso! Você está na lista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s